domingo, 11 de julho de 2010

Amor=Cativeiro




O amor é paciente;(Eu fui muito paciente; acho que até mais que a Amélia)é bondoso;(Eu era de tão boa,idiota;)o amor não e invejoso;(Inveja?Eu o adimirava;)não é arrogante;(Eu era humilde; por "muito pouco" tempo,confesso)não se ensoberbece;(Se tive orgulho,foi dele;)não é ambicioso;(Minha ambição era alcançar o seu amor;) bem piegas né?não busca seus próprios interesses;(Améééélia,te chamam!)não se irrita;(de verdade,existe isso?)não guarda ressensetimente pelo mal sofrido;(eu sou de arame?Só se eu fosse)não se alegra com a injustiça;(ta vendo gente,ver ele pagando nem é vingança)mas regozija-se com a verdade;( Ô)tudo desculpa;(menos!)tudo crê;(ele tava trabalhando,o cheiro de pinga e cigarro foi essa cidade poluída)tudo espera;(esperei tanto que cansei)tudo suporta;(as vezes Trident resolve)( Carta de S. Paulo aos Coríntios e uma esculhambada básica minha)Acho que o que eu senti foi amor,mas não como esse aí de Paulo.(então posso considerar que era?)
Amor é igual a cativeiro.E quem diz que nunca se sentiu preso é a versão genérica do pinóquio,FATO.Alguns podem até dizer: "Que nada,o amor liberta".Só se for você, da  controladora da Sra sua mãe.Amar com reciprocidade é bom deve ser .Porém minha última experiência não poderia se conotar assim.nem de longeMas sabe,eu me sinto livre.Aquela abstinência em que eu tanto sofri,se foi.A falta não se faz tão presente,o medo de perder, o que mesmo? já não existe.Eu estive cara a cara com a minha ferida,e ela poderia ter sangrado até mais que a outras vezes,mais não.Eu estou liberta.Me libertei daquelas amarras que tanto me prendiam,e nunca mais quero olhar pra trás.E esse mérito é meu.Meu e d'Ele que me "acudiu" tanto.
Obrigada,eu só tenho agradecer.Muito,muito feliz!!!!

6 comentários:

Colhendo, né Amor!? disse...

Luciana,

Vivo equilibrando o que sei e o que sinto. Tenho que admitir, meu lado racional (eu tenho, viu? rsrss), bate de frente com esse sentimento miope. Aleluia... Eu entendi. Não é pra ser, o que nem sempre quer dizer, não é amor. Só que nasceu na estação errada.

Beijos e feliz por você.

Luciana Klopper disse...

Isso mesmo, se faz mal, o negocio é seguir em frente sempre

Luciana P. disse...

Mais um capíotulo que eu amei. Adoro os seus textos. Se é desabafo, serve pra muita gente. Inclusive quem acha que é amado, admirado, enfim...

E viva a liberdade!
Beijos, Lu!

Vagner Lopez disse...

É bom se sentir livre de amarras, não é verdade? Erguer a cabeça e seguir em frente nem sempre é fácil... Uma hora ou outra sempre nos pegamos pensando, relembrando, remoendo, ruminando. Mas há, sim, sempre a possibilidade de esquecer - ou até memso lembrar sem saudade alguma -,e recomeçar. Fica o aprendizado, e a cicatrização fica por conta do tempo e do que nós fazemos durante esse "tempo".

Achei muito engraçada esculhambada básica. Ri muito.

Beijo, Lú! Cuide-se bem.

Raysla Camelo disse...

O amor não liberta meeeeesmo!
Quem ama vive escravo, se não for da pessoa amada é do próprio amor.
Enfim...
...coisa escrota é amar.

Alexandre Fernandes disse...

Quando um sentimento lhe prende dessa forma, não é amor. Ou o amor, mesmo que intenso, ainda será menor que a ansiedade, a angústia e a dor da necessidade.

E o grande perigo é esse.

Coloque o amor no patamar superior, e verás que ele libertará.

Porque amor liberta sim. O que te prende são os outros sentimentos de carência e de pressa.

Beijos Lu.