segunda-feira, 22 de março de 2010

Um ombro amigo pra chorar



O meu ombro serviu de aconchego pra ele.
Meu ouvidos ouviram uma história tão triste,que meus olhos ao verem dos seus correrem lágrimas,não aguentaram e o seguiram no mesmo gesto.
Era dor,e era dor de amor...
Eu disse a ele como uma mãe que ama seu filho e quer cuidar.Quer o livrar do sofrimento,da dor.Falei que ela não o merecia bixa safada,fazendo meu amigo chorar?,que aquele tão grande amor estava sendo disperdiçado,e que aquela história(que ao meu ver nunca nem começara)já havia tido um fim.
Mas alguém aí já ouviu falar de dor de amor ter ouvidos?
Tem nada!
Tem é só um coração dilacerado que implora por paz,por esquecimento,por relógio correndo,por razão de viver que não tenha o sorriso da fulana metido no pensamento.
Nessas horas cada um se apega com o que lhe é mais certo de funcionar.
Uns recorrem a farra com os amigos que outrora se divertia nas noitadas.Mas e quando isso não diverte mais?
Outros bebem.Pensam que talvez bebendo vão conseguir esquecer.E até pode ser que esqueçam mesmo,porque no meio daquele mal estar da ressaca não da pra lembrar de nada,não é verdade?
Há também aqueles que procuram na sua velha agenda o que será a sua salvação.Tola esperança,já que nenhuma outra tem o seu cheiro,o seu toque,sabe como conduzir o seu corpo...
E o que resta?
"Minha amiga" Martha Medeiros diz que "O tempo não cura tudo. Aliás, o tempo não cura nada, o tempo apenas tira o incurável do centro das atenções."
E eu devo concordar.

Se agora você sente uma dor que não é capaz de mensurar...Acredite,ela vai passar!Aos poucos vai diminuindo até que não sinta mais.
Isso não que dizer que não vão haver cicatrizes.
Na vida nunca se tem certeza de nada.Quem garante, que mesmo lá na frente,mesmo você  seguindo o seu caminho quando olhar pra elas não se lembre com pesar, magoado?Acontece,mas não será como a dor daquele dia que você chorou e doeu tanto que te deu até falta de ar.
A gente desde pequeno cresce tentando não ser preterido(Amamos todos com medo de não ser recíproco.Por isso tanto agrado a professora,ao amiguinho,ao primeiro amor)e quando isso acontece, mesmo nós adultos velhos de guerra vocês,porque eu sou adulta NOVA de guerra não sabemos como lidar.Acho que ninguém NUNCA vai estar preparado pra rejeição.
E se junto da rejeição houver um amigo coração de manteiga, burro que acredite que "se ela falou tal coisa,é porque ainda me quer" usar?dúvidas? ,que "se ela não me contou,é porque não quer que eu saiba.Ta confusa" não te considera e em tantos outros "sinais" que na verdade se chamam esperança e medo de encarar a verdade de frente.
Mas nós sabemos também que tem filha da cuca,(blog de família,nada de palavrão)aham que gosta de fazer joguinhos né?De se sentirem valorizadas.
Aí vai um recadinho pra essas rampeiras moças: "Aproveitem ao máximo seus minutinhos(que podem ser semanas,meses e PASMEM as vezes anos) de importância.Porque quando a ficha cair eu sou da época que o orelhão usava ficha eu não quero ser você.Se rolar aquele arrependimentosinho básico então..." levou um chifre?Coisa boa!eu acho é lindo kkk,meu amigo é melhor em TODOS os quisitos?que peeeeeeeena...perdeu malandra kkk
O que fazer então?
Não há receitas prontas,mas garanto que o ombro amigo se não resolver,ao menos alivia.E eu tenho dois.
Alguém precisando...

9 comentários:

Ju Fuzetto disse...

Bom dia Flor!!!

Ter um ombro amigo é ter um tesouro!!!

Um beijo e boa semana flor!!

Luciana Klopper disse...

Tb tenho mais dois, se precisar!!!

Pelos caminhos da vida. disse...

Eu tenho e vc?

beijooo.

Raysla Camelo disse...

Se sem amor a vida é triste, sem amigos é uma depressão profunda!

Beijos!

NEZIO JALOTO - Miojo disse...

Eita Luciana, que se fosse um tempo atrás que eu tivesse lido este post, eu teria saído daquela fossa bem mais rápido viu! rs... Mas felizmente estou voltando a viver de novo... e me apaixonando, rs...
Bjs, tb tenho dois, caso precise!

Alexandre Fernandes disse...

Nessas horas o que mais precisamos é de um ombro amigo mesmo. É bom relaxar e desabafar. Contar um pouco e se abrir. Eu sei como.

As coisas não somem não Lu. Ficam lá. Eu também não faço questão de esquecer. Nem a pior dor. A dor maior só vem na hora e por algum tempo, depois a tranformo em semente e dali brota muito aprendizado. Olho assim para tudo que me faz sofrer e por isso lido bem.

Mas jamais vou dispensar um ombro amigo. E sei que quando eu precisar posso contar contigo, como uma vez já contei né?

Beijo doce.
=)

Deise Duarte disse...

Quando eu precisar, lembrarei disso!

Luciana P. disse...

Muito lindo o que você escreveu, Lu. Tenho ombro amigo também e gosto de ouvir quando algum amigo precisa.
Agora, essa coisa de dor de amor, só pra gente ouvir mesmo, essa dor não tem ouvidos meeeeesssmo...
Adorei o post.

Beijos e bom final de semana!

David disse...

Realmente verdadeiro, gostei muito ^^